Timenow quer aportar R$ 5 milhões em startups

Timenow quer aportar R$ 5 milhões em startups

Engenharia consultiva do Brasil com 27 anos de mercado, a Timenow vai investir R$ 5 milhões até o final de 2024 em startups nas áreas de gerenciamento remoto de projetos, com aplicação de visão computacional, IA Generativa, Big data, Machine Learning e análises preditivas, com foco em gestão de ativos e manutenção. Para expandir o portfólio, a empresa prevê incluir novas tecnologias e soluções inovadoras no Timenow Ventures, seu programa de Corporate Venture Capital (CVC), criado em 2020, que já acumula investimentos superiores a R$ 10 milhões em diversas startups.

“Este programa é um marco na trajetória de inovação da Timenow e os investimentos buscam integrar tecnologias inovadoras e conhecimentos específicos que aumentem nossa capacidade de oferecer valor para o mercado”, afirma Walter Maia, diretor de Investimentos e Participações da Timenow. Atualmente, a empresa trabalha com seis startups, que apresentam uma Taxa Interna de Retorno (TIR) superior a 25% e geraram um impacto positivo, de acordo com a empresa, de mais de R$ 4 milhões para os clientes em economias e ganhos de produtividade.

Em Gestão de Contratos, por exemplo, foi feita uma parceria para transformar a gestão de contratos em operações digitais por meio de um sistema proprietário. Além do gerenciamento ilimitado de contratos, esse sistema garante segurança de dados com rastreabilidade avançada e acesso controlado. A solução já foi aplicada em mais de 1 mil obras em pouco mais de cinco anos, atendendo aproximadamente 3,3 mil usuários em 10 estados brasileiros.

Outra integrante do portfólio da Timenow, voltada para a indústria 4.0, oferece soluções personalizadas em gestão da manutenção de robôs e do parque industrial, além de fornecer diagnósticos precisos sobre robôs em operação e auxiliar na construção de estratégias ou projetos de implantação para as empresas que ainda estão em fase experimental quanto ao tema. “Vamos expandir o portfólio a partir de uma avaliação meticulosa do nosso Comitê de Investimentos, para garantir que cada nova adição esteja alinhada com a visão de longo prazo e os valores de inovação da empresa”, comenta o CEO da operação, Antonio Toledo.

Patricia Knebel
https://www.jornaldocomercio.com/