rede-brasil-inovador-2024-inovacao-innovation-trends-aldo-rosa-ceo-palestrante-ecossistema-startup-ia-esg-hub-cni-cna-cnc-instituto-ayrton-senna-campanha-30-anos-5
marcas-e-lideres-2024-rede-brasilinovador-innovation-trends-aldo-rosa-ceo-palestrante-corporates-investimento-febraban-tech-ciber-seguranca-bancos
rede-rs-cidade-2024-brasil-inovador-rio-grande-sul-aldo-rosa-ceo-reconstrucao-doacoes-resgate-acolhimento-abrigo-municipio-enchente-randoncorp-daniel-instituto-elisabetha-randon
agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-aldo-rosa-ceo-palestrante-cna-senar-agronegocio-gaff-agribusiness-festival-xp-sp
rede-brasil-inovador-2024-inovacao-innovation-trends-aldo-rosa-ceo-palestrante-ecossistema-startup-ia-esg-hub-c6-invest-bank-banco-digital-gisele-bundchen-(9)
rede-brasil-inovador-2024-inovacao-innovation-trends-aldo-rosa-ceo-palestrante-ecossistema-startup-ia-esg-hub-cni-cna-cnc-cnt-ntc-universo-totvs-sp-2
rede-brasil-inovador-2024-inovacao-innovation-trends-aldo-rosa-ceo-palestrante-ecossistema-startup-ia-esg-hub-cni-cna-cnc-startse-ai-day
rede-brasil-inovador-2024-inovacao-innovation-trends-aldo-rosa-ceo-palestrante-ia-esg-ecossistema-startup-investidor-venture-capital-hub-cni-cna-cnc-sebrae-governo-minas-summit-belo-horizonte-1
rede-brasil-inovador-2024-inovacao-innovation-trends-aldo-rosa-ceo-palestrante-ia-esg-ecossistema-startup-investidor-hub-cni-cna-cnc-sebrae-ai-summit-inteligencia-artificial-1

Amcham: Comércio Brasil-EUA acumula US$ 55 bi em 2023 até setembro, 2ª maior marca da série

Amcham: Comércio Brasil-EUA acumula US$ 55 bi em 2023 até setembro, 2ª maior marca da série

O comércio entre Brasil e EUA atingiu o acumulado no ano de US$ 55,5 bilhões até setembro de 2023 e alcançou a 2ª maior marca da série histórica, atrás apenas do resultado do ano passado. As informações são do Monitor do Comércio Brasil-EUA elaborado pela Amcham Brasil e divulgado nesta sexta-feira, 13.

No comparativo com 2022, a corrente bilateral de comércio caiu 17,4%, puxada pela queda de 26,5% nas importações, o que representa US$ 10,4 bilhões a menos. As exportações tiveram redução mais tímida de 4,5%.

De acordo com a entidade, no ano passado, houve uma combinação de preços internacionais elevados e expansão nas trocas de alguns bens de energia, o que possibilitaram os bons índices alcançados. “A redução observada até o momento nas trocas bilaterais está concentrada em alguns poucos setores”, avaliou o CEO da Amcham Brasil, Abrão Neto.

“No geral, o comércio segue dinâmico, com crescimento na maioria dos produtos e perspectiva positiva, sobretudo nos itens de maior valor agregado e intensidade tecnológica”, completou. Segundo o documento, cresceu a importância relativa dos bens industriais nas exportações do Brasil aos EUA, passando de 78,5% para 81,6%.

Além disso, cinco dos 10 produtos mais vendidos pelo Brasil tiveram alta em valor no período, com destaque aos combustíveis de petróleo (106,9%), sucos de frutas (58,5%), equipamentos de engenharia civil (40,5%), celulose (9,1%) e semiacabados de ferro ou aço (7,0%).

Já entre os produtos importados pelo Brasil dos EUA, houve alta em instrumentos e aparelhos de medição (22,5%), motores e máquinas não elétricas (14,6%); aeronaves (13,0%), polímeros de etileno (1,9%) e inseticidas e fungicidas (0,1%).

O relatório revelou ainda que o déficit comercial do Brasil com os EUA caiu 80% no ano, comparado com igual período de 2022, passando de US$ 11,5 bilhões para US$ 2,3 bilhões.


https://www.infomoney.com.br