WEB
AGRISHOW
agro-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ecossistema-startups-hub-cna-senar-agronegocio-agrotech-startse-sp-2
rede-brasil-inovador-2024-inovacao-esg-ia-cni-cna-cnc-hub-startups-sebrae-espirito-santo-es-esx-programacao-aldo-rosa-1
construcao-inovadora-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-cbic-sinduscon-acomac-materiais-industria-feira-construsul-bc-balneario-camboriu-2

Política industrial vai acelerar neoindustrialização do Brasil, diz presidente da CNI

Política industrial vai acelerar neoindustrialização do Brasil, diz presidente da CNI

Resultado de diálogo construtivo entre poder público e iniciativa privada, a nova política industrial contém um conjunto de ações capazes de acelerar a neoindustrialização. De acordo com o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Ricardo Alban, a Nova Indústria Brasil, apresentada pelo governo em 22 de janeiro, representa um plano consistente de ações para incentivar a produtividade, a inovação e a inserção da indústria brasileira nas cadeias globais de valor.

A defesa da nova política industrial foi feita na abertura do Opening Meeting, nesta segunda-feira (29), no Rio de Janeiro. O evento marca o início da agenda de trabalhos do B20 Brasil, grupo que reúne entidades empresariais das 19 maiores economias do mundo, mais a União Europeia – o G20.


“Precisamos ganhar vantagens competitivas para nossas indústrias. Vamos descarbonizar a nossa indústria para recuperar a nossa manufatura, para agregar valor e empregos de qualidade. O B20 e o G20 nos dão essa oportunidade de trabalharmos juntos por esses objetivos”, disse Alban.


O presidente da CNI destacou a relevância do Plano Mais Produção, que contará com linhas de crédito no valor de R$ 300 bilhões. Os recursos serão destinados a projetos sob quatro temas transversais: inovação, produtividade, descarbonização e exportações, por meio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “Temos uma pujante indústria que serve de base para o agronegócio porque houve recurso, ambiente para que crescesse e desse certo. Temos uma convergência de fatores agora para o setor indústria como um todo”, afirmou.

Participaram da cerimônia de abertura o vice-presidente e ministro do MDIC, Geraldo Alckmin, o presidente do BNDES, Aloizio Mercadante, o presidente da FIRJAN, Eduardo Gouvêa e o líder do B20 Brasil Dan Ioschpe

Vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Geraldo Alckmin chamou atenção para a convergência entre os pilares que orientarão os trabalhos do B20 e os desafios mundiais. “O Brasil pode fazer toda a diferença nesse momento, de pós-pandemia, alta de inflação e guerra. Segurança alimentar, segurança energética, a agenda do clima são temas em que o Brasil é protagonista e para os quais podemos dar grandes contribuições para mundo”, disse.

O presidente do BNDES, Aloizio Mercadante, analisou o impacto das medidas de política industrial adotadas pelas economias desenvolvidas, que detêm mais de 70% da produção industrial do planeta. Segundo ele, boa parte impacta o comércio multilateral, o que impõe ao Hemisfério Sul buscar a defesa de suas economias, sobretudo suas indústrias. “Nós estamos tomando medidas, e precisamos disso, de política econômica responsável fiscalmente, mas que defenda a indústria, o setor produtivo, que é o setor mais dinâmico e mais importante, além de atrair esse complexo industrial internacional”, defendeu.

A importância do Brasil à frente do G20 e do B20

Desde 1º de dezembro, o Brasil ocupa as presidências rotativas dos grupos que reúnem governos e setor privado das maiores economias do mundo. No caso do B20 Brasil, cabe à CNI coordenar os trabalhos de debates entre as entidades empresariais – que devem reunir mais de 1 mil líderes empresariais – na construção de propostas dentro de sete forças-tarefa e do conselho de ação, que serão entregues na cúpula de chefes de Estado do G20, prevista para acontecer em novembro.

Líder do B20 Brasil, Dan Ioschpe destacou que o grupo de engajamento do setor privado terá um papel fundamental de acelerar uma agenda de desenvolvimento socioeconômico em parceria com governos, tanto para o Brasil quanto para o resto do mundo. “Os desafios econômicos, geopolíticos, sociais, de saúde e segurança sanitária atuais demandam ações rápidas e globalmente coordenadas. Embora o G20 reúna países muito heterogêneos, essa diversidade representa grande oportunidade”, afirmou.

Alban chamou atenção para a sintonia entre a diretriz de trabalhos do B20 Brasil, sob o lema “Crescimento inclusivo para um futuro sustentável” com os objetivos da presidência do G20 pelo governo brasileiro. “É uma oportunidade ímpar para mostrarmos ao mundo o potencial das nossas empresas e do país. Pela sua relevância global, a atuação do G20 e do B20 é essencial para vencermos os desafios da mudança climática dos conflitos geopolíticos e das desigualdades sociais”, reforçou o presidente da CNI.